Notícias

Vice-Presidente destaca passo dado por Angola em relação aos instrumentos jurídicos que confirmam adesão à Convenção de Ramsar 

O Vice-Presidente da República destacou terça-feira [02.02.2021], o passo dado por Angola em relação ao depósito, na sede da UNESCO, em Paris, dos instrumentos jurídicos que confirmam a adesão à Convenção de Ramsar.

Ao intervir na sessão de abertura do “Workshop Internacional sobre Zonas Húmidas”, que decorreu por videoconferência, Bornito de Sousa considerou o acto como “um facto de extrema relevância para o país, que possui vários tipos de zonas húmidas que vão desde rios, lagos e pântanos, fazendo dele uma área importante para o trânsito de várias espécies de aves aquáticas e biodiversidade”.

Durante a sua intervenção, Bornito de Sousa apelou à mobilização de sinergias para o êxito dos esforços das autoridades públicas, organizações da sociedade civil e universidades em prol da protecção e preservação dos diferentes ecossistemas, como os mangais, por exemplo, de biodiversidade da fauna e flora e protecção de aves aquáticas e espécies marinhas.

O Vice-Presidente da República encorajou as autoridades públicas pelo trabalho de identificação e estudo dos “Sítios de Ramsar”, que permitiu identificar 11 lugares candidatos a “Sítios de Ramsar” de Angola, designadamente as Lagunas do Mangal do Lobito (Benguela), o Saco dos Flamingos (Luanda), as Lagoas do Arco (Namibe), Calumbo (Luanda), Quilunda (Luanda) e do Mangal do Chiloango (Cabinda), o Parque Nacional de Cameia (Moxico), o Complexo das zonas húmidas da Lagoa do Carumbo (Lunda-Norte), a Praia do Santiago (Bengo), o Baixo Cuanza (Luanda – Bengo) e o Complexo das zonas húmidas do Kumbilo-Diríco (Cuando-Cubango).

Bornito de Sousa apelou ao envolvimento dos sectores da Educação, do Ordenamento do Território, Acção Social, Administração do Território e dos órgãos de Defesa e Segurança em prol da preservação da natureza, protecção de espécie da fauna e flora, muitas delas endémicas ou quase endémicas de Angola, e do combate dos efeitos nefastos das alterações climáticas.

Copyright ©️ 2020 MwangoBrain | Todos os direitos reservados