Notícias

Dia Internacional da Cruz Vermelha

Assinala-se este sábado [08.05.2021] o Dia Internacional da Cruz Vermelha, data em que são trazidas à ribalta os valores da solidariedade e a ajuda humanitária, dois traços que presidem e impulsionam as acções desta organização, considerada a maior do mundo.

Com o escopo voltado para ajuda àqueles que enfrentam desastres, conflitos e problemas sociais e de saúde, o Dia da Cruz Vermelha foi instituído para homenagear o nascimento do fundador deste movimento humanitário, Henry Dunant, a 8 de Maio de 1828, em Genebra, Suíça, depois da difícil experiência que teve nos campos de batalha na Itália, onde ajudou inúmeros soldados feridos e que, desde o início, foram amparados pelos fundamentos da Cruz Vermelha que passam pelos princípios da humanidade, imparcialidade, neutralidade, independência, voluntariado, unidade e universalidade, que de lá para cá orientam a actividade dos voluntários.

Desde então, todo o processo e condições que conduziriam à criação da Cruz Vermelha não mais pararam. Hoje, a organização criada em 1863 está presente em cerca de 190 países e reúne aproximadamente 97 milhões de voluntários ao redor de todo o planeta.

Financiado por contribuições dos Estados-Partes das Convenções de Genebra (governos), pelas Sociedades Nacionais da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho, por organizações supranacionais e por doadores públicos e privados, todos os anos, o CICV lança apelos de fundos para cobrir os custos das actividades no terreno e na sua sede.

Em Angola, a Cruz Vermelha de Angola foi criada em 1978 e é parte integrante do Comité Internacional da Cruz Vermelha.

Numa recente intervenção na sessão de abertura da IV  Assembleia Geral da Cruz Vermelha em representação do Presidente da República e Presidente Honorário da Cruz Vermelha Angola, o Vice-Presidente da República, Bornito de Sousa, destacou o papel da organização no país, tendo encorajado os colaboradores e os voluntários da organização fundada no humanismo e que actua com base na imparcialidade, neutralidade, independência, voluntariado, unidade e universalidade.

Na ocasião, Bornito de Sousa lembrou que a Cruz Vermelha sempre foi um parceiro do Estado e da sociedade nos momentos difíceis de guerra e de catástrofes naturais e tem um papel a desempenhar no actual processo de transformação de Angola, nomeadamente na implementação de vários projectos consagrados no Plano de Desenvolvimento Nacional 2018-2022, assim como nos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável/2030, o que constitui também uma aspiração da Cruz Vermelha de Angola, constante do lema da presente Assembleia Geral.

Copyright ©️ 2021 Órgãos de Apoio ao Vice-Presidente da República (OAVPR) | Todos os direitos reservados